Minha cabeça está rodando. Mal consigo pensar direito, mal tenho vontade de levantar-me e abrir a janela. Não sei se o sol apareceu hoje.Eu não sei o que espero. Nem sei se espero algo… Está tudo tão indigesto e insólito, que perdi completamente meu controle. Joguei o certo pela janela do sétimo andar. Destruí um castelo de concreto, que demorou anos para ser construído. Preferi meu castelo de cartas. Frágil, sempre pendendo para os lados, querendo cair. Seguro-o. Entro em equilíbrio, nem que para isso precise me desdobrar, pender, ameaçar desabar junto. Ele me segura. Não sei até quando, nem desde quando.E este castelo me faz querer ver o dia nascer. Está tudo fora do lugar. O errado ficou certo. Eu quero viver o errado, e minha cabeça continua rodando, buscando perguntas, respostas. Acumulam-se perguntas, há carência de respostas. Vou levando assim, enquanto as cartas estiverem na mesa